fbpx

O Brasil tem SIM o que comemorar no Dia Internacional do Idoso - LS Nogueira

Compartilhar

Imposto / Lei do Idoso / LS News / Notícias

O Brasil tem SIM o que comemorar no Dia Internacional do Idoso

A longevidade aumentou no país, novas leis foram criadas para proteção e conforto, ampliaram-se os grupos de terceira idade, criaram-se faculdades específica para este público. Centenas de cidades brasileiras instituíram o Conselho Municipal do Idoso e o Fundo do Idoso, para angariar recursos destinados a projetos de amparo e assistência. Que as famílias os amem e respeitem. Que a sociedade os protejam!!!

Você conhece Dona Aparecida?
Ela vive na Casa do Vovô, em Ribeirão Preto, ao lado do marido Gregório. Estamos falando de um exemplo de amor ao próximo e paixão pela vida.

Aos 71 anos, dona Cida Marcone está à frente de seu tempo. Adora brincos grandes, usa dread no cabelo e está sempre ativa. Ela vive com o marido em uma das instituições apoiadas pela Lei do Idoso através da LS Nogueira. Usa as redes sociais pela Internet e encabeça campanhas para ajudar a Casa. Agora, diz que se uniu a motoqueiros para buscar recursos na implantação de energia solar.  “Esse negócio de ficar fazendo crochê já era. Aqui tenho tudo o que preciso para ter uma vida saudável e agitada. Temos que aceitar a velhice de forma alegre”. Dona Cida relata que, apesar de não ser o seu caso, existem muitas histórias de abandono dentro do lar, o que ela sente muito. Tentando contagiar a todos com sua alegre, dispara “Nunca fui tão feliz!!!”

Mas nem sempre foi assim. Cida Marcone passou por maus momentos quando foi obrigada a aposentar-se por conta de uma doença nas pernas. Apesar dos esforços dos três filhos, entrou em depressão. “Eu amava minha profissão de enfermeira. Tinha dois empregos e ainda fazia voluntariado. Quando o problema me pegou, parei até de andar”, diz dona Cida. Mas a fase complicada passou e ela se recuperou por completo. Foi quando marido, Gregório, ficou doente. Aí chegou o instante de procurar apoio fora de casa e foi buscar acolhimento na Casa do Vovô. Isso já faz 18 anos.